Saiba 4 cuidados a serem tomados com as mochilas das crianças

Diário Do Nordeste

Neurocirurgião alerta para as consequências da sobrecarga para a coluna vertebral

Um item está amplamente associado à vida escolar das crianças: a mochila. Com uma ampla variedade de opções, modelos, cores e formatos, os pais e gestores precisam de orientação quanto ao seu uso. É que o excesso de peso nas costas prejudica o desenvolvimento vertebral da criança.

E, visando justamente ajudar os pais e escolas sobre possíveis sobrecargas na coluna vertebral de crianças, o neurocirurgião especialista em coluna vertebral pela UNIFESP, Dr. Alexandre Elias, listou quatro cuidados importantes.

1. Peso recomendado

O ideal é que a criança ou adolescente não carregue mais que 10% do seu peso.

2. Modelo mais adequado

Como a lista de materiais costuma ser extensa e com muitos itens que pesam e precisam ser levados diariamente para a escola, o mais recomendado é utilizar mochilas e malas com rodinhas, daquelas com o puxador rente à mão e com ajuste de altura. Além de mais confortáveis, evitam o sobrepeso e a má postura. Na impossibilidade de comprar uma mala dessas, o mais indicado é que se use as mochilas que são presas também na região lombar, que deve ser proporcional à altura da criança. Além disso, o correto é usar as duas alças, e não apenas uma em um lado do ombro. Outro fator importante é educar a postura, mantendo a coluna sempre ereta e o abdome para dentro, para a melhor distribuição do peso no eixo correto do corpo.

3. Atenção à postura e queixas de dor

Quando falamos em problemas na coluna, sempre associamos às doenças relacionadas ao envelhecimento natural. Mas, o que muita gente não sabe é que crianças também podem desenvolver problemas na coluna, sejam eles ligados à má postura, sobrecarga, genética ou sobrepeso. Por isso, é importante observar as queixas de dores ou incômodos do seu filho, que em casos de persistência, devem ser analisadas por um médico especialista.

4. Consequências da sobrecarga?

O excesso de peso da coluna vertebral da criança pode contribuir para o agravamento ou mesmo surgimento da escoliose (desvio da coluna) que, apesar de acometer pessoas de todas as faixas etárias, costuma ter início ainda na fase de crescimento, afetando cerca de 3% dos adolescentes, especialmente o sexo feminino.

Ver matéria original

} ?>