Pokémon Go em excesso pode prejudicar a coluna

Tribuna do Ceará

Mal chegou ao Brasil e o game Pokémon Go já é febre entre crianças e adultos. Com a proposta de fazer com que as pessoas saiam às ruas na caça dos seus personagens em realidade aumentada, o jogo tem sido apontado como favorável ao combate do sedentarismo, mas, como nada é perfeito, também tem seus contras.

“As pessoas têm passado horas demais manuseando seus smartphones e, agora com o joguinho, o uso tem se intensificado, favorecendo lesões por esforços repetitivos (LER) e dores na coluna vertebral e cervical”, alerta o neurocirurgião especialista em coluna vertebral Alexandre Elias.

O médico ressalta a necessidade de mais atenção para quem já tem tendência a problemas de coluna, como hérnia de disco. Segundo ele, todos estão sujeitos à doença, devido ao quadro degenerativo da coluna ao longo da vida, porém, alguns fatores podem antecipar seu aparecimento, como o vício de postura errada e a sobrecarga nas costas.

“Quando ficamos com o celular nas mãos, e nos posicionamos, erroneamente, com a cervical baixa, temos um esforço triplicado da musculatura para suportar o peso da cabeça, pressionando o local, podendo gerar dor”.

O médico aconselha aos jogadores a terem atenção à postura durante o uso dos smartphones. “A cabeça deve permanecer erguida e o braço levantado para facilitar a visualização do conteúdo em tela sem esforço da cervical. Controlar o tempo em frente ao celular também é essencial”.

Os cuidados vão além, já que é preciso muita atenção e bom senso para não ser vítima de quedas, batidas e sofrer e ocasionar acidentes enquanto o jogador está caçando Pokémons.

Ver matéria original

} ?>