Escoliose: o que é, sintomas e tratamentos

Portal Bolsa de Mulher

Em casos mais graves, desvio na coluna precisa ser corrigido com cirurgia

A escoliose é uma alteração estrutural tridimensional da coluna, caracterizada principalmente por um desvio lateral, mais comum em mulheres. Considerada umdesvio anormal da coluna vertebral, o problema pode ter diversas causas, desde casos congênitos, em que a pessoa nasce com uma vértebra mal formada, até situações aparentemente banais do dia a dia, como sedentarismo ou muitas horas em frente ao computador com postura errada, bolsas e mochilas pesadas, e uso excessivo de salto alto.

Sintomas da escoliose

A maioria das pessoas que têm escoliose não costumam sentir nenhum tipo de desconforto ou dor, mas, nos casos mais graves, o problema pode precisar de cirurgia para ser revertido. Segundo o neurocirurgião Alexandre Elias, especialista em coluna, o diagnóstico da escoliose é inicialmente clinico. “O médico pede para o paciente inclinar o corpo para frente até que o tórax esteja paralelo ao chão e, assim, visualiza as diferenças com um lado do tórax mais alto que o outro. Outras alterações vistas no exame são a assimetria dos ombros e a distancia do braço para o corpo e/ou dos quadris”, explica.

Tratamento da escoliose

Após o diagnóstico clinico, é pedido um exame radiológico, para confirmação do grau do desvio. Nos casos em que o problema não é congênito, é possível preveni-lo ou contê-lo com atividades físicas para o fortalecimento muscular, que ajudam a manter a musculatura adequada. Porém, de acordo com o médico, as atividades de nada adiantam se os hábitos ruins continuarem. Por isso, em todos os casos, é necessário que haja um monitoramento da evolução da escoliose.

Os casos em que as curvas características da escoliose são maiores (acima de 40 graus), com grande probabilidade de progressão, devem necessitar de cirurgia. “Esses casos geralmente apresentam dores intensas, além de influenciar na estética, pois com o aumento da curva ocorre uma assimetria visível do corpo”, diz.

Ver matéria original

} ?>